sexta-feira, março 1, 2024

Conteúdo que impacta no seu bolso!

Investir nos fundos dos “super ricos” vai ficar mais caro?

Por: Thiago Braichi e Lígia Merlo

*As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única dos autores.

Para a condução de investimentos e até mesmo na realização de planejamentos sucessórios, os fundos de investimento fechados, também conhecidos como os fundos dos “super ricos”, devido à sua estrutura exclusiva, são particularmente atraentes. Isso ocorre devido à notável vantagem fiscal desses fundos, uma vez que os tributos são cobrados apenas no momento do resgate ou da amortização das cotas, ou seja, quando o investidor decide acessar a parcela do capital investido –em outras palavras, “colocar o dinheiro no bolso”. 

Além de oferecer uma tributação vantajosa, cobrada somente no resgate e na amortização das cotas, esses fundos possuem uma vantagem extra: estão isentos do “come-cotas,” um mecanismo de adiantamento semestral do imposto de renda que afeta grande parte dos fundos de investimento tradicionais. 

No entanto, o Projeto de Lei nº 4.173/2023, recentemente aprovado pela Câmara dos Deputados, vem chamando a atenção ao tentar reduzir as vantagens tributárias desses fundos. De acordo com o texto atual, além de passar a prever a cobrança do “come-cotas” sobre os fundos fechados, haverá também a tributação do rendimento acumulado até 31/12/2023, o chamado “estoque”. Segundo o texto, a partir de 2024, o rendimento acumulado (o estoque) destes fundos estará sujeito ao imposto de renda retido na fonte a uma alíquota de 15%, com a possibilidade de aplicação “vantajosa” de uma alíquota de 8% caso o imposto seja pago de forma antecipada.

Em outras palavras, com base na redação aprovada pela Câmara dos Deputados, o estoque, ou seja, os rendimentos acumulados dos fundos de investimento fechados, até então tributados apenas no resgate ou amortização, passam a ser tributados a partir de janeiro de 2024. Na prática, é o mesmo que aplicar uma tributação retroativa desses rendimentos, o que não parece ser permitido pela Constituição Federal em decorrência do chamado “princípio da irretroatividade tributária”. 

Não há dúvidas de que a principal motivação dos investidores que utilizam os fundos de investimento (exclusivos ou restritos) fechados está relacionada à postergação (ou diferimento) da tributação para o momento do resgate. Tributar de forma retroativa um investimento que até o presente momento tem outra legislação tributária como pilar de sustentação, não nos parece razoável. Além disso, é importante deixar claro que os fundos fechados são atualmente tributados – diferentemente do que parece ser vendido pelo atual governo. Ou seja, não estamos diante de uma comparação entre um cenário de não tributação versus tributação. A diferença principal é o “quando” – o momento em que o rendimento passar a ser tributado – se no resgate e na amortização (legislação atual) ou semestralmente por meio do come-cotas, como forma de adiantamento do imposto a ser recolhido no resgate/amortização.

Não há como negar que a instituição do come cotas tornará os fundos de investimento exclusivos fechados menos atrativos (ou sem sentido?) para os investidores. Basta fazer a seguinte pergunta ao investidor: se o seu fundo exclusivo fechado tivesse come-cotas, você utilizaria esse modelo como veículo de investimento? Acrescentar a tributação do estoque nessa equação deixa a atratividade do fundo exclusivo fechado ainda mais duvidosa. 

Isso quer dizer que é possível discutir judicialmente a tributação do estoque? Em nossa opinião, permitir a tributação retroativa comprometeria o princípio da segurança jurídica e o direito adquirido dos contribuintes, que gozavam do “direito” de ter o rendimento tributado apenas no resgate. 

Caso o Projeto de Lei seja aprovado, a expectativa é que a questão seja levada ao Judiciário. Isso porque, de acordo com a Constituição Federal, não é possível cobrar tributos sobre eventos que tenham ocorrido antes da entrada em vigor da lei que os instituiu ou aumentou. Esse entendimento já se encontra consolidado, inclusive, na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) em casos análogos. Em decisões como a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 2588 e o Recurso Extraordinário (RE) 138284, o STF declarou a inconstitucionalidade de leis que buscavam tributar eventos ocorridos antes do início de sua vigência. Portanto, a tentativa de tributação “retroativa” (ou antecipada) do estoque de fundos de investimento fechados proposta pelo PL nº 4.173/2023 pode se mostrar inconstitucional.

Vale lembrar que o Projeto de Lei nº 4.173/2023 não é a primeira tentativa de tributação do estoque de fundos fechados. No final de agosto, foi publicada a Medida Provisória (MP) nº 1.184/2023 que, em seus artigos 11 a 13, nos mesmos termos do PL nº 4.173/2023, previu a tributação dos rendimentos acumulados até 31 de dezembro de 2023. Sendo assim, mesmo que a tributação dos fundos venha a ocorrer em um momento posterior (janeiro de 2024), o cálculo desses tributos será realizado com base em eventos passados (rendimentos acumulados até 31 de dezembro de 2023). 

No entanto, a tributação do estoque dos Fundos de Investimento Fechados dependerá da conversão em lei da Medida Provisória nº 1.184/2023 no prazo de 120 (cento e vinte dias) ou da aprovação do PL nº 4.173/2023 pelo Senado Federal.

Até então, temos que aguardar o trâmite legislativo dessas duas propostas. Em todo caso, se a tributação retroativa dos estoques de fundos de investimentos fechados for mantida, é inegável que essa questão será levada ao Judiciário, devido à clara violação ao disposto na Constituição Federal.

Redação Economia em Pauta
Redação Economia em Pautahttps://economiaempauta.com
Plataforma especializada em conteúdos sobre economia, mercado financeiro, investimentos e criptomoedas. Resumos diários dos principais sites do Brasil.

Leia Mais

Ibovespa Ao Vivo: Confira o que movimenta Bolsa, Dólar e Juros nesta sexta

Ibovespa hojeIbovespa Futuro sobe neste primeiro dia de março; dólar comercial desce a R$ 4,96 e juros futuros (DIs) recuam por toda a curva.  » LEIA MAIS

Indústria da zona do euro registra contração em fevereiro pelo 20º mês seguido, mostra PMI

Londres (Reuters) – A atividade industrial da zona do euro continuou a contrair em fevereiro em meio à demanda fraca, embora as empresas estejam otimistas em relação ao próximo ano,  » LEIA MAIS

Pauta surpresa no CMN

Você vai no médico, fala da gripe, da dor de cabeça e da tendinite. Acabou a consulta, o dr. pergunta “algo mais?” só para ser simpático.  » LEIA MAIS

Funeral de Navalny em Moscou atrai apoiadores e mobiliza a polícia russa

Moscou (Reuters) – A polícia se posicionou perto da igreja onde o político da oposição russa Alexei Navalny será enterrado em Moscou nesta sexta-feira (1),  » LEIA MAIS

Ibovespa Futuro sobe com PIB do Brasil e apostas de corte nos juros nos EUA em junho

O Ibovespa Futuro opera em alta nesta sexta-feira (1º), com investidores repercutindo o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que ficou estável (0,0%) no quarto trimestre de 2023 ante o trimestre anterior e alta de...

PIB do Brasil fica estável no 4º trimestre e fecha 2023 com expansão de 2,9%

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ficou estável (0,0%) no quarto trimestre de 2023 ante o trimestre anterior, conforme informou nesta terça-feira (5) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  » LEIA...

Sistema do FGTS Digital entra em vigor hoje; veja como funciona e o que muda

Após seis meses de testes, a versão digital do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS Digital) entrará em vigor na sexta-feira (1º). Totalmente eletrônica,  » LEIA MAIS

Ambev: JPMorgan corta ABEV3 para neutra após balanço e projeção de custos frustrarem

O JPMorgan rebaixou a recomendação para ações da Ambev (ABEV3) de overweight (exposição acima da média, equivalente à compra) para neutra, após decepção com resultados do quarto trimestre de 2023 (4T23),  » LEIA...

FIM do Bolsa Família afeta milhares de brasileiros; entenda o caso

Desde o ano passado o governo federal tem aplicado um projeto que traz como consequência o fim do Bolsa Família em milhares de lares.  » LEIA MAIS

Caixa Tem em março: lista dos pagamentos CONFIRMADOS já está disponível para consulta

Neste mês de março, a Caixa Econômica Federal (CEF) disponibiliza a consulta de saldos para beneficiários do Caixa Tem, com calendários específicos para dois grupos distintos.  » LEIA MAIS

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Conteúdos Exclusivos

*Inscreva-se e receba conteúdos exclusivos: artigos, notícias, vídeos e podcast.

Nossos canais

Destaques

plugins premium WordPress
Economia em Pauta Ative as notificações e receba uma seleção de conteúdos exclusivos!
Mais tarde
Eu quero