sexta-feira, março 1, 2024

Conteúdo que impacta no seu bolso!

Nova portaria que dificulta abertura em domingos e feriados pode trazer prejuízo para varejistas, explica advogado

Nesta semana, o Ministério do Trabalho e Emprego publicou a Portaria MTE 3.665, de 13/11/2023, que revogou a permissão permanente de trabalho aos domingos e feriados, prevista na Portaria MTP 671/2021, para catorze categorias do comércio.

Com a revogação, essas 14 categorias passam a depender de prévia autorização em Convenção Coletiva de Trabalho e de legislação municipal que permita o trabalho nos domingos e feriados. As categorias atingidas pela revogação e que, a partir da publicação da Portaria MTE 3.665/2023, em 14/11, somente podem funcionar em domingos e feriados se autorizadas por Convenção Coletiva de Trabalho e pela legislação do município, são:

  1. Comércio varejista de peixe;
  2. Comércios varejistas de carnes frescas e caça;
  3. Comércios varejistas de frutas e verduras;
  4. Comércios varejistas de aves e ovos;
  5. Comércios varejistas de produtos farmacêuticos (farmácias, inclusive manipulação de receituário);
  6. Mercados;
  7. Comércio varejista de supermercados e de hipermercados, cuja atividade preponderante seja a venda de alimentos, inclusive os transportes a eles inerentes;
  8. Comércio de artigos regionais nas estâncias hidrominerais;
  9. Comércio em portos, aeroportos, estradas, estações rodoviárias e ferroviárias;
  10. Comércio em hotéis;
  11. Comércio em geral;
  12. Atacadistas e distribuidores de produtos industrializados;
  13. Revendedores de tratores, caminhões, automóveis e veículos similares;
  14. Comércio varejista em geral.

“Na prática, para essas categorias nas quais foram revogadas as autorizações permanentes de trabalho aos domingos e feriados, será necessário negociar com o sindicato para assinatura de norma coletiva autorizando o trabalho nos referidos dias, aumentando o poder de negociação dos sindicatos dos empregados. Cabe esclarecer que a convenção coletiva não pode impedir a abertura do estabelecimento, isto seria competência da lei municipal, o que a norma coletiva pode é vedar o trabalho dos empregados que estão abrangidos por ela, sendo que empregados terceirizados de empresas que possuam autorização de trabalho nos domingos e feriados poderão também trabalhar dentro destes mercados, como exemplo, limpeza e segurança, entre outros, e também eventuais restaurantes ou outras atividades autorizadas a trabalhar nos referidos dias e que estejam localizados dentro deste mercados poderão abrir normalmente, exceto se houver proibição na lei municipal. Com a alteração, trazida em Portaria com vigência imediata, algumas categorias podem sofrer mais neste período, seja por não possuírem norma coletiva vigente, seja por não ter a norma vigente previsto o trabalho nos domingos e feriados.

Para os hotéis e restaurantes, não muda a regra, portanto podem continuar considerando como atividade com autorização permanente de trabalho aos domingos e feriados, porém os mercados, super e hipermercados devem se atentar à validade das normas coletivas, tendo em vista a revogação da autorização permanente, havendo a necessidade de norma coletiva válida permitindo o funcionamento.  Nestes casos, apesar de a Lei 10.101, de 2000, mencionar “convenção coletiva” para autorizar o trabalho em domingos e feriados, com a alteração da CLT, em 2017, os acordos coletivos prevalecem sobre as convenções coletivas, portanto as empresas, em nosso entendimento, poderiam buscar uma solução junto ao Sindicato, para formalizar acordo coletivo abrangendo seus empregados.

E apesar de a diminuição da carga horária levar a uma possível redução nos postos de trabalho, quem será mais impactado será o empregador, pois a norma revoga autorização permanente de diversos ramos do comércio cujo movimento é considerável nos dias de domingo ou feriado, como super e hipermercados, atacadistas, farmácias, entre outros cujas atividades dependem da norma coletiva autorizando e da lei municipal”, explica Luiz Felicio Jorge, sócio trabalhista no Urbano Vitalino Advogados.

Redação Economia em Pauta
Redação Economia em Pautahttps://economiaempauta.com
Plataforma especializada em conteúdos sobre economia, mercado financeiro, investimentos e criptomoedas. Resumos diários dos principais sites do Brasil.

Leia Mais

Dividendos: data de corte HOJE para receber R$ 226 mi de Gerdau (GGBR4) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4)

No dia 20 de fevereiro, a Gerdau (GGBR4) anunciou o pagamento total de R$ 175 milhões em dividendos, ao passo que a Metalúrgica Gerdau (GOAU4) vai distribuir R$ 51,6 milhões.  » LEIA MAIS

SYNE3 +69,57% e AGXY3 -39,22%: Maiores Altas e Baixas de Fevereiro

SYN Prop Tech (SYNE3) teve forte alta no mês de fevereiro, enquanto o preço das ações da Agrogalaxy (AGXY3) caiu.  » LEIA MAIS

Notícia da MRV, Cielo, Casas Bahia, Hidrovias, Copel, Grendene e de outras companhias

  Publicado às 21h56   Notícias corporativas MRV&Co (MRVE3) reduz prejuízo no 4T23 A MRV&Co (MRVE3),  » LEIA MAIS

Ibovespa termina fevereiro sem os 130 mil pontos; ‘Nem tudo está perdido’, diz BBA

O Ibovespa voltou a ter o gostinho de superar os 130 mil pontos nesta semana, mas não sustentou o patamar e devolveu os ganhos. Hoje foi um novo dia de queda para...

Radar: Casas Bahia (BHIA3) fecha acordo, analistas preveem aumento de distribuição de lucros do Itaú (ITUB4) e Copel (CPLE6) tem alta nos ganhos no...

Negócios A Casas Bahia (BHIA3) assinou um novo documento que contém os termos e condições para que seja realizado o reperfilamento de suas dívidas, no valor de R$ 1,5 bilhão.  » LEIA...

Prio (PRIO3): aumento de capital de R$ 2 bilhões pode decepcionar investidores, alerta BBA. Entenda por quê

Negócios Depois que o conselho de administração da Prio (PRIO3) revelou ao mercado ter aprovado o aumento do capital social de R$ 2 bilhões,  » LEIA MAIS

Suzano (SUZB3) troca de comando após resultados “neutros do 4T23”. O que esperar da empresa?

Negócios por Murilo Melo 29/02/2024 22:09 Atualizado em: 29/02/2024 22:10 A Suzano (SUZB3), maior produtora de celulose do mundo, divulgou seus resultados...

MRV&CO (MRVE3): prejuízo líquido consolidado vai a R$ 104,9 mi no 4º tri, perda 68% menor

A MRV&CO (MRVE3) (conglomerado imobiliário que reúne MRV, Urba, Luggo e Resia) teve um prejuízo líquido consolidado de R$ 104,9 milhões no quarto trimestre de 2023,  » LEIA MAIS

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Conteúdos Exclusivos

*Inscreva-se e receba conteúdos exclusivos: artigos, notícias, vídeos e podcast.

Nossos canais

Destaques

plugins premium WordPress
Economia em Pauta Ative as notificações e receba uma seleção de conteúdos exclusivos!
Mais tarde
Eu quero